O CONCEITO DE ESTABLISHMENT
 

 

Significado de Establishment

Ricardo Gustavo Garcia de Mello

O termo establishment é carregado de uma série de significados que diferem do conceito de elite e está além do conceito de estamento político (strictu sensu).

Significa a estrutura de poder composta pelo governo mais o conjunto de certos aparelhos ideológicos, associações internacionais, movimentos da sociedade civil, lideranças econômicas, militares, intelectuais e celebridades que corroboram e legitimam o Poder.  Tais grupos e personalidades comandam as mais poderosas organizações da sociedade civil e do Estado, detendo o poder de decidir e influenciar a economia, o direito, a cultura e as armas.  Sua perpetuação depende do privilégio e do segredo. Privilégio pelo fato de possuir direitos, dinheiro, armas e informações que são inerentes ao cargo ou posição. E o segredo significa possuir informações que revelam os pontos fracos da sociedade e da estrutura de poder ao mesmo tempo que nestes segredos está contido o trunfo do poder.

O termo elite designa qualidades excepcionais ou personalidades e grupos considerados superiores por eleição ou “predestinação” para governar. Já o termo establishment designa grupos ou personalidades que estão solidificas em altas posições cujas consequências das suas decisões repercutem em toda a sociedade.

Umas das formas do establishment se manter no poder é inventar um inimigo externo, as potências imperialistas, ou afirmar que existem forças ocultas que manipulam o sistema. Mas na verdade isso significa fabricar mentiras para que os tomadores de decisão, aqueles que estão no topo da sociedade não arquem com a responsabilidade dos seus atos, imputando ou atribuindo suas falhas à terceiros. Reconhecendo somente a responsabilidade dos seus atos quando suas decisões repercutem de forma positiva.

A posição dos membros do establishment confere o poder de transcender a percepção e campo de ação da maioria, uma prerrogativa que eles devem manter para governar. Para o establishment os mais aptos e competentes são aqueles cujas atividades fortalecem o poder, caso alguns elementos, grupos ou personalidades, deixem de cumprir suas funções ou deixem os seus segredos ser revelados, eles deverão ser eliminados. A forma mais refinada de eliminar um inimigo político, forma que dispensa a tortura e a morte física, se denomina assassinato de reputação. O assassinato de reputação significa criar uma série de factoides para promover o assédio ou linchamento moral de dada pessoa ou grupo com o objetivo de difamar sua reputação ao ponto de formar certa opinião pública negativa em relação ao determinado grupo ou pessoa de tal modo que este grupo ou pessoa experimente a morte em vida pelo assassinato da sua reputação pública.

O Establishment se considera uma comunidade de homens superiores com o “direito natural” de ocupar as altas posições e cargos de comando podendo naturalmente olhar os outros de cima para baixo, enquanto a maioria deve olhar os membros do establishment de baixo para cima. O Establishment não se preocupa com o bem comum da sociedade ou com a prosperidade e segurança nacional, para eles a maioria nasceu para servir. A economia, o exército, a mídia, as Leis e outras organizações são apenas meios ou instrumentos necessários para expandir e garantir o seu poderio. O Establishment é um estamento parasitário e sua rentabilidade depende da drenagem dos recursos espirituais e materiais da sociedade, nada produz a não ser o monopólio do poder. 

O establishment é um estamento de exploradores cujo estilo de vida é garantido através do trabalho da maioria, por meio de impostos direitos e indiretos e da desvalorização do trabalho do homem-comum e a supervalorização das suas atividades. Este estamento progride e se reforma sem nunca modificar sua natureza, através do processo de cooptação/corrupção dos “melhores” elementos da sociedade, ou seja, faz com que os indivíduos ou grupos com habilidades excepcionais trabalhem pelo status quo.  O establishment defende o seu próprio interesse e quanto ele prática a filantropia, a faz com a intenção de dar com uma mão esperando receber com as duas.

Não é o trabalho duro que leva alguém ao Establishment, mas a vontade de poder. E o que confere legitimidade ao establishment é o conjunto de práticas filantrópicas, políticas públicas étnicas que separam os pobres entre si, assistência social, uma imagem de santidade vendida pela mídia e a vontade de poder de certos elementos do andar de baixo que desejam ser ricos e famosos.


FONTES:

BOTTOMORE Tom B. As Elites e a Sociedade, Zahar Editores, Rio de Janeiro, 2ºed.,1974

FERREIR DOS SANTOS Mario, Dicionário de Filosofia e Ciência Culturais, Ed. Matese, São Paulo, 1965

MANNHEIM Karl, Diagnóstico de Nosso Tempo, Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1961

MANNHEIM Karl, Liberdade, poder e Planificação democrática, Mestre Jou, São Paulo,1971

MILLS Wright, A Elite do Poder, 4ª ed. Zahar editores, Rio de Janeiro, 1981

VOSLENSKY, Michael S. A Nomenklatura: como vivem as classes privilegiadas na União Soviética. 3º ed. Recordo, Rio de Janeiro, 1983